12 de Janeiro 

 

No deserto 

 

Leitura Bíblica: Números 9.15-23 

 

Espera em Deus, pois ainda o louvarei, na salvação da sua presença (Sl 42.5b – ARC). 

 

     O  povo de Israel passou muitas  gerações no Egito, e quando Deus a tira dali é para o deserto que o envia. Se já não bastasse  o longo tempo de escravidão, agora parece que Moisés escolhera a porta errada para a saída do Egito. Um deserto pode ser caracterizado pela ausência de animais, de vegetação e de água; tempestade, só de areia, de dia um calor que passa os 40º de noite um frio que pode congelar. Sem uma bússola não há como saber em que direção seguir. Olhar para a esquerda e ver areia, olhar para a direita e ver mais areia, sentir os raios solares queimando sem ao menos um protetor solar e durante a noite um frio com rajadas de ventos que arrastam  dunas. Esse foi o trajeto  para a terra prometida que Deus escolheu para o seu povo. Como para o homem a sobrevivência ali seria difícil, Deus se faz presente numa nuvem durante a noite os cuidados de Deus se fazem pela coluna de fogo que aquecia e iluminava o ambiente.

    Deus não livra do deserto aqueles que ama. Passado tanto tempo no Egito, o povo conhecia Deus mais do ouvir falar do que por uma relação própria. Então o conhecimento de Deus se dá por sua presença em meio á escassez do deserto.

     Se a promessa é a Terra Prometida, quem promete é aquele que também fez o deserto o seu povo passar por ele. Deus jamais abandonou o seu povo, mas se fez presente em todo o período de passagem pelo deserto. Crer em Deus no deserto é um exercício de fé e perseverança na vida. Os desertos de nossas vidas não costumam ser escolhidos por nós. É  duro caminhar, caminhar e não encontrar solução para os problemas e o fim da nossa angústia, mas é preciso crer que Deus não se ausenta de nossas crises. Crer em Deus é crer que os desertos da vida também são passageiros, e no  tempo de Deus teremos chegado ao que ele nos prometeu. – LM 

 

                   Não existe deserto em que Deus não esteja.