1º de Abril

 

    Faça e receba

 

 Leia ->  Mateus 22:34-40

... “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente.” [...] E o segundo mais importante é [...]: “Ame os outro como você ama a você mesmo”  (vv.37-39)

 

       Avalie-se em uma escala de um a dez: O quanto você ama a Deus? E os outros? Qual é a nota baixa?

       Muitos cristãos acham que amar a Deus é mais difícil do que amar os outros por causa de duas questões: Primeiro, e difícil falar com alguém que não podemos ver. Segundo, parece que estamos muitos ocupados para ler nossas Bíblias e orar. Quem de nós não simpatizaria com uma mãe que confessa que seus dias são tão cheios com a alimentação dos filhos, limpar e esfregar, que acaba tendo pouco tempo para parar e ficar na presença de Deus? 

     No entanto, fico pensando se nossas perguntas apresentam uma escolha errada. Jesus disse que amar a Deus e amar os outros são dois lados inseparáveis do mesmo mandamento (Mateus 22: 37-39). João escreveu que amar os outros é precisamente como amamos a Deus, Pois ninguém pode amar a Deus, a quem não vê, se  não amar o seu irmão, a quem vê (1 João 4:20).  E Paulo argumenta que amar os outros é nossa tarefa mais importante, “... Ame os outros como você ama a você mesmo” (Gálatas 5;14). Em vez de disputarmos: amar a Deus versus amar o próximo, as Escrituras declaram que amamos a Deus amando o próximo.

       Agora, vamos compreender este ponto – literalmente. Martinho Lutero disse certa vez que nosso próximo número um é nosso cônjuge (Efésios 5;21-30). É fácil sermos amáveis com pessoas que vemos ocasionalmente, mas como somos com aqueles que convivemos? Se formos generosos e pacientes com a família – aqueles  que há muito tempo paramos de tentar impressionar – estaremos seguros que amamos a Deus. Sempre que fizemos o bem a alguém, isto será visto pelo nosso Pai celestial. Pois quando amamos Seus filhos, amamos a Ele.

 

-Mike Wittmer