.31 de Maio

 

Bem-Aventurado! (II)

 

Leitura Bíblica: Efésios 4.22-32

 

Bem-aventurado o que acode ao necessitado (Sl 41.1, ARA).

 

    A questão bíblica de amparar os pobres dera um sem-fim de argumentos para mostrar que não se pode levar tão a sério esta orientação.

   “Se for dar a todos os necessitados que conheço, vou à falência num dia”, dizem, ou “não tenho nada para dar: eu mesmo sou necessitado”. Até parece ser privilégio dos ricos, que seriam os aptos a cumprir o mandamento. Nossa leitura de hoje, porém, aponta em outra direção quando fala de trabalhar para ter o que repartir com o necessitado. Ainda que se refira a ex-ladrões, sua promessa não se limita a eles. O contexto fala da diferença de vida de quem, liberto por Cristo, vive agora uma “vida nova”. Ora, diferentemente da vida anterior dominada por egoísmo e insensibilidade, esta nova vida deve revelar uma nova postura frente à pobreza do próximo.

   Nela não há lugar para a desculpa sistemática de não ter para dar. A orientação bíblica é de trabalhar para ter não só o necessário, mas também algo para ajudar o próximo.

   Talvez isso pareça “pesado” demais. Lembre-se, no entanto, que para os filhos de Deus vale “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. Se você se ama a ponto de trabalhar para ter algum conforto, por que não propiciar um pouco dele aos que não têm onde dormir e o que comer – e que você diz amar?

   Pude observar isso na vida de uma senhora que conheci. Era uma mulher simples e consagrada, mas muito doente, passando quase constantemente de cama. Apesar disso ela costurava “para fora”, mesmo sem precisar do dinheiro que seu trabalho rendia. Quando lhe perguntei por que tanto sacrifício, ela citou Ef 4.28 e afirmou: “a minha maior felicidade é poder dar do que tenho para as pessoas necessitadas”. Sei que há outras pessoas que agem assim, estou certo de que experimentam a bênção de Deus e são bem-aventuradas. – MRI

 

          Dar faz multiplicar, reter faz encolher.