7 Julho

 

Altares pessoais

 

Leia-> Gênesis 11:1-9

...Agora vamos construir uma cidade que tenha uma torre que chegue até o céu. Assim ficaremos famosos e não seremos espalhados pelo mundo inteiro (v.4).

 

      Toda sexta-feira à noite nos reunimos para compartilhar, ler a Bíblia e orar. Somos uma turma diversificada, composta por um matemático, uma musicista, um advogado, um palestrante e até mesmo um ativista político amador.

     Recentemente lemos a história da Torre de Babel e nos surpreendemos com a motivação dos construtores. Dizem que a torre foi feita porque estes homens e mulheres buscavam a “fama”. Ao construírem o gigantesco monumento em forma de pirâmide  dominariam o mundo e tornariam seus nomes conhecidos (Gênesis 11:4).

     Tais intenções presunçosas não combinam com Deus e tal atitude causou problemas para o futuro da Terra. Se os seres humanos pudessem dominá-la, a rebeldia só aumentaria. Deus confundiu as línguas e acabou com a vã tentativa de glória pessoal.

       Nossa geração cominha perigosamente em busca da fama, como Babel. Uma pesquisa recente descobriu que a fama é o segundo maior desejo dos jovens entre 18 e 25 anos (depois das riquezas). Graças aos blogs, Youtube e Facebook temos diversas ferramentas para contar ao mundo quem somos.

       Deus tem algo maior para nós do que a busca trivial por construir a própria fama. É um mundo (reino) do qual desfrutamos quando o Seu nome é nossa maior paixão (Deuteronômio 6:5).

       O meu grupo de sexta-feira à noite se debateu com esta verdade por algum tempo. Como nossa musicista poderia resistir à tentação de “construir uma boa reputação?” Ou o matemático, uma vez que ter seu nome publicado em artigos de pesquisa é fundamental para o sucesso profissional?

      Percebemos que duas coisas nos ajudam a ser bem-sucedidos em Jesus: adoração, e serviço. Quando nossas vidas e carreiras são entregues como ofertas a Deus, evitamos a tentação de edificar altares pessoais até o céu.

-Sheridan Voysey