9 Julho

 

Cura demorada

 

Leia-> Apocalipse 22:1-6

...Em cada lado do rio está a árvore da vida [...] E as suas folhas servem para curar as nações (v.2).

 

       Em setembro de 2008, um desastre natural atingiu a Costa do Golfo nos Estados Unidos mais uma vez. O furacão ike varreu a lha Galveston e Houston, Texas, a quarta maior cidade do país. Um sobrevivente, Bobby Anderson, descreveu a horrenda experiência de se agarrar a um prédio enquanto a tempestade o arrastava. Para seu espanto presenciou uma mulher que não conseguiu se segurar e for arrastada para o mar.

     Outra testemunha, Aaron Reed, falou sobre uma área da cidade, que foi “quase destruída completamente. Como se alguém pegasse um facão e fosse abrindo picadas.” Amigos, casas, comunidades – devastados.

      Essas tragédias são desoladoras e também vívidas imagens da verdade que enfrentamos todos os dias – a triste realidade que as Escrituras descrevem em seus capítulos iniciais. Nosso mundo (governos, estruturas sociais, economias, ambientes, bairros, relacionamentos) tem profundas e dolorosas cicatrizes. Fomos mortalmente feridos pelo pecado e rebelião e toda enfermidade que resulta de tão completa destruição. E o único remédio para este estrago e ruína é uma cura profunda. Precisamos de um Salvador.

      À luz da nossa necessidade urgente, a visão do apóstolo João de onde toda esta calamidade está acontecendo oferece uma imensa esperança. Estamos caminhando rumo a uma conclusão feliz onde “...não haverá [...] nada que esteja debaixo da maldição de Deus...” e “...não haverá mais noite...” (Apocalipse 22:3,5). Estamos nos aproximado do dia – você consegue imaginar? – em que Deus vai “curar as nações”, cada uma delas (v.2).

    Acabou o mal. Acabou a dor. A cura vai chegar. Mais precisamente, aquele que cura virá. Como João diz: esta restauração emana do “...Senhor Deus [que] brilhará sobre eles” (v.5).

-Winn Coller