28 Julho

 

Rompendo a ciclo

 

Leia-> Salmo 13

O SENHOR Deus, até quando esquecerás de mim? Será para sempre?...(v.1).

 

     Meu pai cresceu sem pai. Quando ele tinha cinco anos, o seu pai abandonou a família e nunca mais voltou. Mais tarde, ao perguntarem ao meu avô se ele tinha um relacionamento com papai, ele se recusava a admitir que meu pai fosse seu filho – renegando-o e dizendo que era um parente distante.

    Conforme a maioria das estatísticas, eu também deveria ter crescido num lar destruído, com pai ausente. As Escrituras dizem que os pecados dos pais são transmitidos à terceiros e quarta gerações (Êxodo 20:5; Números 14:18; Jeremias 32:18). Dizem que garotos molestados crescem e se tornam abusadores; e crianças com pais ausentes se transformam em pais indisponíveis aos próprios filhos.

     Não em meu caso. Jeremias 31:29-34 proclama um novo tempo no qual rompe-se o pecado de uma geração. Os filhos não precisam passar adiante os pecados dos seus pais, pois o poder da nova aliança – prometida e cumprida em Jesus – nos capacita a quebrar os grilhões do pecado em nossas famílias e iniciar um novo ciclo de amor e fidelidade.

     Ezequiel 18:19-20 apoiado na promessa de Jeremias anuncia “...o filho não sofre por causa dos pecados do pai, [..] o filho fez o que era correto e bom. Ele guardou as minhas leis, e as seguiu cuidadosamente, e por isso é certo que viverá.” Se somos vítimas de pais que nos feriram, não precisamos perpetuar isso. Cada um de nós tem um novo começo diante de Deus.

    Não é fácil. Meu pai feriu-se profundamente pela ausência do pai, e a maneira como criou os filhos trazia as cicatrizes. Às vezes, ele tentava nos compensar, lutando muito para ser o pai perfeito no lar ideal. Porém nunca tive dúvidas de que ele me amava. Meu pai optou por absorver o ódio do meu avô em vez passá-lo adiante, e iniciou um novo ciclo. Você também pode agir assim.

-Mike Wittmer