5 Agosto

 

Bolsa vermelha

 

Leia-> Lucas 10:30-37

Mas um samaritano que estava viajando por aquele caminho chegou até ali. Quando viu o homem, ficou com muita pena dele (v.33).

 

    Uma igreja cristã local deixou uma bolsa vermelha vazia à nossa porta com um bilhete pedindo doações. Levei para dentro e larguei no balcão da cozinha, mentalmente me isentando de ajuda com a desculpa de que:

a) Não era a minha igreja, b) Tinha acabado de participar de projeto semelhante e c) Eu tinha um zilhão de coisas para fazer.

    Na manhã seguinte, quando li a história do Bom Samaritano, pensei, “Graças a Deus não sou como as pessoas que deixaram aquele pobre homem desamparado”. E a bolsa vermelha chamou minha atenção.

    Senti-me como o sacerdote que “...quando viu o homem, tratou de passar pelo outro lado da estrada” (Lucas 10:31). O sacerdote manteve-se à distância. Este que trabalhava de segundo e disse “Parece que detonaram você” encolheu os ombros e desviou-se.

    Finalmente,apareceu o samaritano e “...Quando viu o homem, ficou com muita pena dele” (v.33). A parábola de Jesus demonstrou que a compaixão – e não apenas as boas obras – diferenciaram o samaritano daqueles religiosos egoístas que passaram por ali.

     O verdadeiro serviço cristão é o resultado da compaixão. Jesus, constantemente, respondia ao sofrimento humano com um coração atencioso. “Jesus chorou” (João 11:35), e ressuscitou Lázaro. “Quando o Senhor a viu [viúva], ficou com muita pena dela...” (Lucas 7:13), e trouxe o filho dela de volta à vida. Jesus viu “...viu a multidão e teve pena daquela gente...” (Marcos 6:34), e começou a ensiná-los.

     Se você se tornou indiferente às necessidades dos outros, será que abrirá os olhos e  coração às “bolsas vermelha”? Jesus enalteceu o Bom Samaritano como exemplo de um servo compassivo, e nos encarregou de ir e fazer o mesmo dizendo: “...Pois vá e faça a mesma coisa” (Lucas 10:37).

- Jennifer Benson Schuldt