20 Agosto

Toda a verdade

Leia-> Gênesis 4:1-12
Mais tarde o SENHOR perguntou a Caim:
-Onde está Abel, o seu irmão?
-Não sei – respondeu Caim.
-Por acaso eu sou o guarda do meu irmão? (v.9).


      Nos anos de 1930, a Espanha passou, por uma guerra civil quando o general Francisco Franco participou de um golpe para tirar do poder os esquerdistas. Quinhentas mil pessoas morreram no conflito, outros 114 mil simplesmente “desapareceram” nos primeiros anos do governo de Franco. Quando ele morre em 1975, ninguém queria investigar o seu passado sombrio. Porém, após anos de pressão por parte das famílias dos desaparecidos, o juiz Baltasar Garzon ordenou o início dos investigações em 2008 – incluindo a abertura de 19 covas coletivas não registradas. O processo, embora perturbador, será necessário para a cicatrização da Espanha.
     No primeiro de muitos relatos grotescos registrados nos Escrituras, Caim assassinou seu irmão Abel por causa da inveja que sentia por Deus aceitar melhor os seus sacrifícios (Gênesis 4). Caim atraiu seu irmão para fora de casa e ao ficarem a sós, sua fúria veio á tona e “quando os dois estavam no campo, Caim atacou Abel, o seu irmão, e o matou” (v.8).
     Ele sabia que era culpado, mas quando Deus o confrontou perguntando sobre o paradeiro de Abel, Caim se faz de bobo: “...Não sei [...] Por acaso eu sou o guarda do meu irmão?” (v.9). Deus o pressionou e perguntou: “Por que você fez isso? Da terra, o sangue do seu irmão está gritando, pedindo vingança” (v.10).
     No fim, Caim não teve escolha. Deus o forçou a assumir a responsabilidade, e ao enfrentar seu pecado, lamentou ter que se esconder da presença de Deus.
     Embora procuremos encobrir nossos pecados e segredos, apenas amplificamos nossa vergonha. Nossa esperança depende de uma cura profunda – que só ocorre se nos dispusermos a ela. Precisamos nos purificar – permitir que Deus conheça nossas falhas e desespero. Para recebermos a cura, precisamos ser honestos sobre o passado.
- Winn Collier