O inferno: Como ele é?

 

O novo Testamento considera o inferno ( Geena, o lugar de incineração; veja  Mt 5.22; 18.9) a habitação derradeira daqueles que foram entregues ao castigo eterno no julgamento final (Mt 25.41-46; Ap 20 11-15). É descrito como um lugar de fogo e escuridão (Jd 7,13), de “choro e ranger de dentes” (Mt 8.12; 13.42,50; 22.13; 24.51; 25.30), de destruição (1Ts 5.3; 2Ts 1.7-9; 2Pe 3.7) e de tormento (Lc 16.23; Ap 20.10).   O que o Novo Testamento ensina acerca do inferno tem o propósito de nos chorar e encher de horror, convencendo-nos de que assim como a vida eterna com Deus será melhor do que assim como a vida eterna com Deus será melhor do que podemos imaginar, o castigo eterno também será pior do que nossa mente pode conceber.

            As escrituras ensinam vários fatos específicos sobre o inferno. Em primeiro lugar, o inferno é um castigo consciente interminável (Jd 13; Ap 20.10). Quaisquer idéias de libertação do inferno (ou do purgatório) ou de aniquilação dos ímpios em algum estagio desse castigo não tem nenhum fundamento bíblico.

            Em segundo lugar, o inferno não é a experiência da ausência de Deus, mas sim a experiência de sua presença. O sofrimento do inferno consistirá da experiência da ira de Deus como um “fogo consumidor” (Hb 12.29), de sua condenação justa e da privação de tudo o que é valioso, agradável e proveitoso (Rm 2.8-9,12).

            Em terceiro lugar, todas as pessoas que vão para o inferno são sentenciadas a esse destino por sua própria escolha.Os incrédulos são julgados porque se recusaram a reconhecer Deus como o seu Senhor, rejeitaram a sua justiça em favor do pecado e (caso tenham ouvido o evangelho) rejeitaram Jesus em vez de aceitá-lo como Salvador (Jo 3.18-21; Rm 1.18,24,26,28,32; 2.8; 2Ts 2.9-12). Desse modo, o inferno afirma o verdadeiro significado da escolha humana. Todas as pessoas recebem aquilo que, de fato, escolheram: adorar a Deus e estar com ele para sempre ou adorar a si mesmas e permanecer eternamente sob a condenação da ira divina.

            As escrituras ensinam sobre o inferno com o propósito de chamar todas as pessoas a aceitarem com gratidão a graça de Cristo que as salva do castigo eterno (Mt 5.29-30; 13.49-50). Em sua misericórdia, Deus nos adverte da realidade do inferno para que possamos nos voltar para Cristo e encontrar nele a salvação.