O apóstolo Paulo tinha tamanho discernimento a respeito dos assuntos celestiais que as suas cartas são fonte de muita luz para todos nós. Na carta aos gálatas, ele relata uma experiência que viveu em Jerusalém, quando foi lá visitar os irmãos. Ele encontrou Pedro agindo com dissimulação, isto é, quando não havia nenhum judeu por perto, comia com os gentios, mas quando chegava algum judeu, se retirava do meio dos gentios. Observe que havia uma divisão na igreja em Jerusalém. Quando Pedro visitou Antioquia, foi repreendido por Paulo com as seguintes palavras: “Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como os judeus, como é que obrigas os gentios a viverem como judeus?”. Pedro vivia pela fé, porém ainda sua fé era misturada com a lei. Em alguns momentos da sua vida, a fé operava, porém em outros, agia pela lei. Pedro tinha medo de Tiago e de outros defensores do judaísmo, o que o impedia de andar totalmente pela fé. O medo é o principal problema de muitos cristãos hoje para entregarem a sua vida à Cristo. Alguns tem medo do que os outros vão pensar a seu respeito, outros tem medo de se tornarem fanáticos, também existem aqueles que tem medo do que a própria palavra de Deus esta dizendo. Se o medo toma conta do nosso coração, dificilmente andaremos pela fé, mas iremos procurar uma solução pessoal para o caso. É por este motivo que muitos chegam na igreja e passam por um período inicial de muita alegria e satisfação. No começo desfrutamos da graça apenas, onde o Senhor apenas nos alimenta com leite, pois somos crianças na fé. Mas quando a criança já estiver se desenvolvendo, receberá alimento sólido, sofrendo dentro de si os reflexos dos seus nutrientes. É neste momento que entra o medo, pois percebemos que o Senhor está querendo que deixemos de ser criança para nos tornar maduros espiritualmente e isto exige de nós algumas decisões.